segunda-feira, maio 09, 2005

botanizing on the asphalt *


* Benjamin, W.: Charles Baudelaire. A lyric poet in the era of high capitalism. Verso Books, 1983 (p. 36)

Acuso o meu romantismo! Tenho especial predilecção por estes apontamentos de cidade selvagens, campestres, de flora espontânea e (bio)diversa. Aos espaços verdes estereotipados e homogéneos prefiro outras alternativas de natureza: os prados que ainda subsistem na paisagem urbana ou as flores que caem dos muros e brotam dos passeios.
Para identificá-las melhor, procuro aqui.
(obrigada pela descoberta, M.)

7 comentários:

Anónimo disse...

Não sei se é romantismo, mas sei que é bom saber que há muita gente que continua a resistir a viver simplesmente no meio do betão e do vidro.
Saborear o cheiro a terra molhada depois de dias de sol, o cheiro do jasmim trazido pela brisa do anoitecer ou o ar fresco do nascer do dia no campo, são prazeres sem os quais não me imagino a viver.
A fotografia é linda. Que bom haver estes bocados de natureza espalhados pelas varandas e terraços de tantos prédios.O apelo da natureza continua presente em cada em cada um de nós, e isso é bom. Jardineira,obrigada pela fotografia.
Urtiga

floreseabelhas disse...

Fiz o contrário. Através dos nomes, tentei saber que flores vão nascer na minha varanda. Mas aquelas "marcas" não constam. Óh!!!

Draco disse...

Gostei muito do teu Blog!
Ainda bemi que há mais bloguistas com dedos verdes!!!

Aqui fica o link do meu: http://musgoverde.blogspot.com/

Anónimo disse...

A tua descrição, faz-me lembrar a minha infância em Vila do Conde. Onde a 20m da minha casa existia um enorme campo. Onde a praia era ladeada por dunas e chorões. Aiii que saudades, que saudades. "Oh tempo volta pra trás..." Nãaa o que lá vai, lá vai. Neste momento ando a ver, rever as nossas serras, montes, planaltos, zonas ribeirinhas com o meu "UM PAR DE BOTAS". Que BOM é ver, sentir e estar em contacto com a Mãe Natureza.

medronho

Ana Maria B disse...

Também gosto destas expontâneas.Há muitas na estrada que faço todos os dias para ir trabalhar.É muito bonito.
Mas todos os anos, não sei porquê, quando aquilo está no auge da beleza floral, os "tratadores da estrada" vêm e rapam tudo!Porque será?...
Todos os anos quando os pedaços de terra das beiras e do meio da estrada se começam a encher de flores eu penso que desta vez não vai acontecer, não vão cortar as flores.Mas não..., já aconteceu outra vez, já começaram. Só ficam as giestas. O resto é tudo rapadinho, fica a terra careca, um nojo!

Ana Maria B disse...

Ana

Anónimo disse...

Concordo com o que diz a Ana Maria sobre as bermas da estrada que estão nesta altura muito bonitas.
Percebo que cortem a vegetação nos pontos em que cria falta de visibilidade ou tapa sinais de trânsito, mas parece que o corte é feito de acordo com um único critério o de deixar tudo rapado e desconsolado, não vá o condutor distrair-se a olhar a beleza das bermas.