quarta-feira, abril 27, 2005

jardins 2005

A Associação Campo Aberto vai promover mais uma sessão do ciclo de visitas Jardins 2005.
No dia 28 de Maio (sábado), às 14h30, as pessoas inscritas na iniciativa visitarão a Quinta do Alão, em Leça do Balio.
O ponto de partida para a visita será o Mosteiro de Leça do Balio às14h15. Os simpáticos organizadores acrescentam ainda que poderão arranjar boleia do Porto até Leça do Balio para quem a solicitar.

"A Casa de Recarei, na Quinta do Alão, está referenciada desde o século XV. Os jardins actuais, notavelmente bem mantidos, têm um cunho seiscentista, com alguns acrescentos recentes de muito bom gosto. São talvez os jardins antigos mais bem conservados de todo o Grande Porto, e os únicos da região que merecem destaque no livro "Jardins com História" (coord. Cristina Castel-Branco,Edições Inapa 2002)."

Não esquecer que a inscrição é obrigatória!

segunda-feira, abril 25, 2005

atchin atchin


atchin... os posts seguem dentro de momentos ... atchin (snif*)

sábado, abril 23, 2005

livro de cabeceira


E está na hora de comemorar o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor! Vou "recolher-me" a ler o livro que actualmente ocupa a minha mesa-de-cabeceira: "L'année du jardinier" (Zahradnikuv rok) do escritor checo Karel Čapek * (1890-1938).
Em "L’année du jardinier", Čapek descreve as tarefas, as alegrias e obsessões dos jardineiros e desvenda essa arte de organizar o encontro entre o humano, o vegetal e o ciclo natural da vida.

* curiosidade: Karel Čapek notabilizou-se como o primeiro autor a usar e divulgar a palavra robot (do checo robota=trabalho).

annual seed distribution scheme



Todos os anos, no mês de Abril, a minha atenção ao correio redobra. Por esta altura, dá-se a chegada de uma encomenda especial: as sementes distribuídas pela RHS aos seus membros através do Annual Seed Distribution Scheme.
No Outono passado, fiz as minhas escolhas a partir da lista de sementes provenientes dos jardins do RHS. Como o tão esperado pacote chegou ontem, vou passar o fim-de-semana a organizar as sementes por estações e a estudar os métodos de germinação das que poderão ser semeadas na Primavera.
A chuva já pode cair à vontade :-).

quinta-feira, abril 21, 2005

verde que te quero verde


(a propósito da questão dos Aliados, e como complemento ao meu comentário aqui)
algumas questões mais:
- conseguirão as associações da cidade e os munícipes demover a CMP da sua actual avidez por ícones urbanos, da qual resultou esta desarticulada e forçada operação de branding ?
- conseguirá a participação pública manifestar-se para além da nostalgia e da emoção?
- conseguirão os políticos contrapôr para além do populismo?
- surgirão ideias criativas e inovadoras orientadas para a pluralidade?
- ouvir-se-á quem chega (e não só quem cá vive)?
- entender-se-á o verde para além da sua dimensão romântica?

Há muito cepticismo por aqui...

terça-feira, abril 19, 2005

horta urbana leopoldo


Para nostálgicos do campo,vegans gulosos, mães exigentes e todos aqueles para quem uma varanda é suficiente para cultivar uma horta: depois da mesa de cultivo, a horta urbana Leopoldo !
Mas, como quem não tem cão caça com gato, os vulgares cestos com rodas devem cumprir a função. Se experimentarem, mandem fotos!

uma horta no telhado (para AL)


(foto: arts4all)
Em 1993, em plena cidade de Chicago, Job Ebenezer provou ser possível cultivar legumes no topo de um edifício público... em piscinas de tela. Quatro anos depois, os jardineiros envolvidos neste projecto colheram 446 kg de legumes (tomates, pepinos, pimentos, courgettes e uma variedade de "verdes"). Tudo isto em 38 piscinas!
Também disponível na versão "pneu" e "saco de polietileno". :-)

segunda-feira, abril 18, 2005

a cerejeira em flor, Avô!


Flores de cerejeira no céu escuro
e entre elas a melancolia
quase a florir.

(haiku de matsuo bashô em "o gosto solitário do orvalho, seguido de o caminho estreito", assírio & alvim)

domingo, abril 17, 2005

"baga da palha"


É exactamente isso que a palavra inglesa strawberry quer dizer. Não sei se tem directamente a ver com o facto de se espalhar palha por baixo dos frutos e em redor das plantas para impedir o crescimento das daninhas e manter os frutos limpos...
As minhas tarefas de fim-de-semana resumiram-se a isso: proteger os morangueiros com palha e rede anti-pássaros.

fragaria
Introduzido nos jardins na Idade Média, o morangueiro é uma planta rasteira de pequeno porte da família botânica das Rosaceae.
Segundo Alphonse de Candolle (Origine des plantes cultivées, 1883), o morango no seu estado selvagem é uma planta espontânea que se expandiu pelo mundo inteiro (Europa, América e Ásia). Atraídos pelos frutos carnudos, os pássaros transportaram as suas sementes até aos lugares mais distantes. As espécies europeias, de pequena dimensão e produção irregular, foram cruzadas no século XVII com espécies nativas trazidas do continente americano pelos colonizadores (ex. fragaria virginiana) . Destes cruzamentos resultaram as diversas variedades de morangos que hoje conhecemos.

Há dois tipos de morangueiros: os remontantes (produzem continuamente de Junho a Outubro) e não-remontantes (mais resistentes, produzem frutos só uma vez por ano entre Abril e Junho).
Os morangos devem ser plantados em Agosto/Setembro (não-remontantes) ou na Primavera (remontantes). Crescem em solos ricos e bem drenados, em bordaduras ou cultura extensiva. Mas também se podem plantar em vasos suspensos (algumas variedades podem assim ser cultivados na varanda) e em recipientes com aberturas (potes ou barris de madeira).

comer morangos
... regados com sumo de limão, temperados com licor ou água de rosas, mergulhados em vinho do Porto ou champanhe, macerados em vinagre balsâmico...

... com natas ou chocolate, em tarte, sorvete, charlotte, mousse ...
A minha confecção preferida? Lavados e ao natural!

quinta-feira, abril 14, 2005

feira de alternativas ecológicas aos transgénicos



E transcrevo (obrigada, Natália):

"Perante a ameaça à vida natural na Terra e numa altura em que Portugal (seguindo a Comunidade Europeia) abre as portas à produção de transgénicos, abrindo um processo irreversível de ameaça à biodiversidade, queremos expôr melhor esse problema e divulgar soluções ecológicas a esta situação que nos afecta a todos.
Com o sol da primavera a aquecer e o florir à nossa volta juntemo-nos com:
* Comidinha anti-transgénica para uma consciência mais saudável do indivíduo.
* Filme documentário com vozes indígenas e suas visões sobre a ciência ocidental. Trata-se de uma mensagem para as futuras gerações ameaçadas pela engenharia genética. Uma critica ao novo colonialismo global de uma monocultura que vai eliminando a biodiversidade nativa da natureza e das culturas humanas.
* Banquinhas de artesanato, fanzines e produtos alimentares caseiros biológicos.
* A presença de colectivos diversos que trabalham de formas diversas por uma crescente consciência ecológica.
* A presença de um cientista em defesa dos transgénicos: Doctor Cromo Soma directamente da Universidade do Arganzas.
* Música ao vivo: Contesta com Testa

Em defesa da Diversidade Cultural e Biológica. "

terça-feira, abril 12, 2005

cidade saudável


Passei o último domingo no parque da cidade. Eu e mais algumas centenas de indivíduos de todas as idades, famílias inteiras e grupos de pais e filhos que preteriram os centros comerciais para virem gozar o ar livre e o sol.
Intensamente, aquele espaço (aparentemente) neutro oferecia-se ao desporto, ao passeio, ao descanso e ao jogo. Da relva, fui observando os diferentes grupos e as suas diversas exposições e coreografias: os banais jogadores de bola, o par concentrado nos seus exercícios de yoga, os observadores de patos, os ultra-equipados ciclistas, os frenéticos joggers, os plácidos leitores e os que, pura e simplesmente, estavam.
A descontração e a variedade de experiências que podemos oferecer-nos num espaço assim, aberto quer a amadores quer a connaisseurs da natureza, pode ser a razão para o seu imenso sucesso.

segunda-feira, abril 11, 2005

une petite vanité I


a linha de produtos para jardineiras(os) da Crabtree & Evelyn ilustrada por Laura Stoddart

sécia = aster


sécia pluma de avestruz (foto: edirectory)

As sécias são plantas perenes (callistephus) e pertencem à família das margaridas e malmequeres (compositae). Na literatura sobre plantas e jardins, aparecem normalmente como aster (e) ou reine marguerite (fr). São originais da China e terão possivelmente chegado à Europa no século XVII. As cores das suas pétalas são variadas (branco, vermelho, rosa, púrpura) e o seu centro é amarelo ou dourado. São flores de Verão - Outono, excelentes para bordaduras e canteiros. Em ramo, ficam fantásticas quando combinadas com bocas-de-lobo, zínias e íris.
Para saber mais sobre sécias, consultar Botanic ou RHS Online, por exemplo.

quinta-feira, abril 07, 2005

couves (com) coração


Pedro Brito, Livro de viagem III (Açores 2004)

São jardins inesperados, bizarros, constrangedores e fascinantes onde, com a mesma emoção e rigor de "um botânico no novo mundo", Pedro Brito nos apresenta espécies híbridas e mutantes em ambientes imersivos a explorar. Excelente surpresa para o final de um looongo e agitado dia de trabalho.

quarta-feira, abril 06, 2005

o feminino de hortelão...


... é hortelã, Margarida!? :-)

Ontem à noite, com as tabelas das consociações à minha frente, fiz o meu plano da horta:
- na 1ª fila - alface + tomate + repolho
- na 2ª fila - feijão + pepino + ervilha
e assim sucessivamente.

A consociação de culturas (associação compatível de culturas) é um dos princípios-base da agricultura biológica. Acredita-se que determinadas combinações de culturas são eficazes na prevenção e combate de pragas e doenças.

segunda-feira, abril 04, 2005

será desta???


Neste fim-de-semana, não houve grande tempo para jardinagens. Apesar de tudo, ainda deu para mondar o canteiro dos morangos, acabar de plantar os bolbos de gladíolos e transplantar as violas que semeei em meados de Fevereiro . Pequenas plantas de violetas brancas e minúsculos amores perfeitos (púrpura, olho-de-tigre e cuty) foram passadas para vasos individuais, devidamente identificadas com elásticos de cor diferente. Para já, ficarão dentro de um estufim, onde espero que possam vir a desenvolver-se ao abrigo da chuva.

domingo, abril 03, 2005

guerra aos pulgões


(foto JH)
Obrigada pelo mote, Teresa! Não há nada pior do que descobrir um "batalhão" de pulgões a fazer um pic-nic das nossas flores e legumes!
Enquanto as joaninhas não chegam, há outras formas "naturais" de combater os pulgões. Eis algumas das soluções que fui coleccionando:
- chá de tabaco - ferver 30 gr de tabaco num litro de água; coar o chá com um passador; diluir em 1 litro de água.
- spray de limão - deixar a casca de um limão de molho em 4 chávenas de água quente durante a noite; coar bem; adicionar 1 colher de chá de detergente da louça (sem amoníaco).
Colocar num pulverizador e passar ao ataque, não sem antes testar a sensibilidade da planta ao "insecticida".